cento e uma histórias de amor

 

Gostamos de contar sobre aqueles que entram na nossa vida e esta é uma história que se impõe diferente. Porque guarda nos olhos cor de mar e no meigo sorriso memórias de uma vida tão longa que foi preciso viver 100 anos até chegarmos a ter o privilégio de sermos nós a entrar na dela, esperamos que para ficar.


Diz que nunca pensou contar tantos, mas ao que parece existe um segredo para conseguir. Como quem sabe falar sem precisar de palavras baixou a cabeça, chegou-se mais perto, juntou os indicadores num só e ergueu as mãos para partilhar este gesto, em jeito de quem entrega uma sabedoria maior.


É bem provável que estivesse a falar de amor, afinal, diz que o amor foi a sua sorte. Quando não deu tempo de crescer no colo da mãe, que a vida lhe roubou sem idade para perceber nem como nem porquê. Quando não houve meio de ficar com o pai, que em tempos idos não se fazia fé que os homens também soubessem criar.

O amor foi a sua sorte. Quando os tios velhinhos a acolheram para a guardar, lhe deram casa para ficar e primos para brincar. Tanto amor para uma menina só, que os ciúmes deles se confundiam com a vontade de a proteger. E ao lembrá-los, sorri.

O amor foi a sua sorte. Quando o namoro passou a vir, com hora marcada, só para a ver da porta da casa onde não havia ordem de entrar. Mais velho, ela tão nova, envergonhada de o gostar. Tanto amor que ele esperou e ela cedeu, para nunca se arrepender. E ao lembrá-lo, sorri.

O amor foi a sua sorte. Quando tomou para si o desejo dele de não ter filhos, mas a casa se foi enchendo de filhos dos outros que, pouco a pouco, lhe alegraram o coração. Tanto amor que mantém o dom de não precisar do sangue para tecer os laços que a ligam aos outros. E em cada reencontro diário, agradece e sorri.

A Miquinhas completa hoje 101 anos de vida, mas há vários dias que na casa se sente festa. Há certa pompa nesta circunstância, não tem como não ser um dia especial, muito especial. Há, sobretudo, muita honra neste Porto, que lhe é de Abrigo, por podermos presenciar e proporcionar que o amor continue a ser a sua sorte. É, agora, um tanto a nossa também. Muitos Parabéns!

 

  • Created on .
2018 | O Abrigo - Centro de Solidariedade Social de São João de Ver
Todos os direitos reservados. | Política de privacidade
Livro de reclamações online