Postais

Ainda há quem escreva postais de amor? Sem saudades do que já lá vai, que tal enviar algumas linhas com carinho a alguém especial?
Sem motivo especial. Ou então, porque no frio do inverno sabe bem receber uma chávena de carinho para aquecer o coração. E todos nós sabemos que meio caminho andado para receber... É dar!

Obrigada a todos os que nos acompanham desse lado. Ainda não vos tínhamos agradecido... Que falha a nossa! Obrigada!!!

até sempre

Os dias são todos iguais: manhã, tarde e noite, pequeno almoço, almoço e jantar.
Ainda assim, os momentos que marcam o correr dos dias, que marcam a consistência do tempo que passa, deixam espaço a que a vida aconteça.
É por isso que, apesar de tudo, os dias são todos diferentes.

Há dias em que devia ser possível parar. Mas, as regras não são essas. Não dá para parar. O que não quer dizer que não se sinta dor, saudade e tristeza.

Janeiro ainda não acabou no Abrigo e já morreram quatro pessoas. É normal, é a vida. O tempo não pára e a vida vai correndo. Pequeno almoço, almoço, jantar.

No Porto de Abrigo, a fotografia em cima da cama. A jarra com uma flor. A cama feita de forma especial.
São pequenos gestos para quem fica. Para quem não se pode dar ao luxo de parar. São gestos pequenos que convidam a fechar os olhos ainda acordado, nem que seja um instante.

Temos sorte, temos muita sorte. As pessoas que passam por nós deixam-nos um pouco de si, da sua história. É uma honra para nós poder fazer parte da vida de tantas famílias.

Aqui somos uns dos outros. Mesmo quando ficamos sozinhos, com os olhos fechados nem que seja por um instante. Para dizer adeus. Até sempre.

caves do vinho do porto

 

Se não puderes ser um pinheiro, no topo de uma colina, 
Sê um arbusto no vale mas sê
O melhor arbusto à margem do regato.
Sê um ramo, se não puderes ser uma árvore.
Se não puderes ser um ramo, sê um pouco de relva
E dá alegria a algum caminho.
Se não puderes ser uma estrada,
Sê apenas uma senda,
Se não puderes ser o Sol, sê uma estrela.
Não é pelo tamanho que terás êxito ou fracasso...
Mas sê o melhor no que quer que sejas.
Pablo Neruda

Este poema assinala o dia em que a Direção e a equipa de trabalho do Abrigo visitaram as caves do vinho do Porto. O poema foi escolhido para nos lembrar que não é pelo nosso tamanho que teremos êxito ou fracasso. O êxito está na capacidade que temos, como equipa, de dar o melhor de nós.

Este mote aliado a um dia bonito de passeio contribui para a construção de memórias felizes. É nos momentos mais difíceis que é importante demonstrar apreço pelo nosso trabalho. É nos momentos mais difíceis que é importante reforçar que juntos, como uma equipa, somos capazes de ultrapassar qualquer dificuldade. Sim, juntos somos mais fortes!

No Abrigo temos a certeza que quando todos dão o melhor de si, o Abrigo está a contribuir para um mundo melhor a cuidar de pessoas. E isso é muito, muito bom!

Uma vez por ano, todos juntos fazemos algo diferente. Este ano, fomos conhecer o Palácio da Bolsa do Porto, sede e propriedade da Câmara de Comércio e Indústria do Porto.

As palavras são poucas para descrever a beleza e grandiosidade do Palácio. As fotografias também não chegam para ilustrar os inúmeros e magníficos pormenores talhados naquele edifício ao longo de décadas. Desta experiência, em que as pessoas que trabalham no Abrigo foram de comboio rumo ao Porto, ficam boas memórias e boas aprendizagens. No Palácio da Bolsa muitos são os símbolos relacionados com o trabalho, com a transformação humana da natureza, com a atividade económica. No lema da Associação Comercial do Porto "Labor et Libertas Urgent Nos", que traduzido de forma livre quer dizer algo como "o trabalho e a liberdade preocupam-nos" e na importância atribuída aos detalhes, aos pormenores e aos pequenos gestos do dia-a-dia, encontramos inspiração para a nossa casa e para o nosso Cuidar com o Coração®.

É importante colocar em perspetiva aquilo que fazemos no nosso dia a dia. É bom encontrar pontos em comum com outras realidades. A beleza e grandiosidade do edifício do Palácio da Bolsa é a constatação de que é possível construir algo que perdure séculos, que geração após geração seja, coletivamente, admirada e reconhecida, como uma obra de arte que honra o seu criador séculos depois. Com esta experiência percebemos que a rapidez não é uma qualidade quando se pretende construir algo belo e eterno. Com esta experiência reconhecemos que o que é importante, o que permanece, o que fica para a história, na arte como na vida, demora o seu tempo. Tal como quando se cuida de pessoas. Criar relações e construir laços de afeto só é possível com tempo, minúcia, arte, resiliência e amor.

a experiência do experimentar

 

Refletir e escrever sobre as dificuldades e angústias da condição humana é uma tarefa complicada: é muito fácil ser excessivo, paternalista ou maternalista, condescendente. É muito fácil cair em frases bonitas sobre o sentido da vida que, na grande maioria dos casos e na vida prática, quando precisamos mesmo, não as conseguimos lembrar. No entanto, apesar de complicado é extremamente importante parar para pensar, olhar com outros olhos para nós próprios, para aquilo que fazemos, para os outros, para o que nos rodeia.

No início do ano passado, a Marta Faria foi desafiada a refletir mensalmente sobre o que nós, seres humanos, fazemos e como fazemos no nosso dia a dia. Quem se disponibilizou a acompanhar as publicações mensais foi presenteado com excelentes textos, acompanhados de imagens de pequenos momentos e detalhes do Abrigo. Os textos da Marta são convites irrecusáveis à reflexão, como uma conversa de café com um amigo que sente e pensa sobre as mesmas coisas que nós. Como diz a Marta, "a experiência do experimentar é o que dá vida ao hábito de mudar". E tantas vezes se fala na necessidade de mudança, a mudança em nós próprios, a mudança no mundo mas, efetivamente, para mudar há que experimentar. E o que fazemos? O que experimentamos? O que mudamos? No fim do ano, sem qualquer hesitação, tornou-se evidente que estas reflexões mereciam estar impressas em livro como se fosse possível, de alguma forma, materializar nas nossas vidas as palavras sábias da Marta.

"A experiência do experimentar é o que dá vida ao hábito de mudar" encontra-se disponível para venda. A totalidade das receitas comerciais reverte a favor de O Abrigo - Centro de Solidariedade Social de São João de Ver. Caso pretenda adquirir um exemplar pode dirigir-se pessoalmente ao Abrigo ou escrever para Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

2018 | O Abrigo - Centro de Solidariedade Social de São João de Ver
Todos os direitos reservados. | Política de privacidade
Livro de reclamações online