silêncio

...que se vai cantar o fado!

O Porto de Abrigo é uma casa grande. Uma casa onde vivem pessoas muito diferentes umas das outras, com experiências de vida singulares, com expectativas e interesses distintos.

Por vezes, o que as une é o facto de partilharem a mesma casa e, como certamente podem imaginar, nem sempre é fácil… mas, a verdade é que a casa é de todos e queríamos reunir residentes e familiares, proporcionando um momento agradável para todos. Um momento que todos pudessem efetivamente apreciar.

O segredo, segundo a sabedoria popular, passa por boa mesa, boa música e boa companhia.

Assim fizemos.

A apreciação da música que nos caracteriza como povo seria certamente capaz de unir, de forma agradável, várias e diferentes pessoas.
Sim, foi o fado que nos juntou.

O silêncio que se faz para cantar o fado é grande. É mágico. Silencia vozes, mas acentua o bater do coração.

No Porto de Abrigo, acreditamos que a partilha de bons momentos aproxima as pessoas. Momentos felizes que todos podem recordar.
Foi assim com a noite de fados do Porto de Abrigo: um momento especial e um momento para recordar.

aquelas notícias sobre atividades... assim normais: "Estava uma linda tarde de sol, quando as crianças e os idosos desceram para o jardim celebrar o Magusto..." Não, não gostamos! Mas...

Mas, as fotografias que tirámos no Magusto deste ano ficaram mesmo bem! Queríamos registar este momento na nossa página e, como tal, aqui têm uma galeria bem bonita.

Podemos dizer que as castanhas estavam quentes e boas, quentinhas... foram assadas numa fogueira a sério e no fim todos cheiravam a fumo, é um facto! Foi divertido: comemos, cantamos e dançamos e é mesmo assim que deve ser.

Até para o ano S. Martinho! Cá te esperamos num dia de sol.

para quem pensa que

  • O Abrigo
  • creche

o trabalho em creche, com crianças pequenas, é só mudar fraldas e dar de comer... na creche do Abrigo os dias são mais do que isso. Os idosos convidaram a creche 3 para o Magusto e, como convidados que se prezem, não podíamos chegar de mãos a abanar…

- O que fazer?
- Somos muitos!
Nada melhor que um delicioso bolo… “o meu bolo” (disse o João Pedro). E que bolo é esse? É um daqueles que os meninos e as meninas podem escolher para festejarem o seu aniversário… E o bolo que o João assume como seu, é um dos preferidos do grupo: bolo de laranja. Mas não é um bolo de laranja qualquer, pois só um grande cozinheiro parisiense o ensina a confecionar: o Ratatouille.
- Podemos pôr molho de chocolate? – Perguntou entusiasmada a Inês.
- Claro que sim Inês, depois cobrimo-lo com chocolate. – Garantiu o adulto.
Mas ainda havia uma questão:
- Somos muitos!
- Tem de ser um bolo muito, muito, muito grande!
Então, que tal fazermos equipas de pasteleiros? – Propôs o adulto.
- Sim… - Responderam as crianças em coro.

Encontrou-se três chefes: a Luísa para a equipa da mesa azul escura; o Tomás Sá para a mesa azul clarinha; e a Inês para a equipa da mesa amarela. Os chefes – recorrendo à famosa receita - foram dando as indicações ao merceeiro do que necessitavam para o bolo… uma vez reunidos os ingredientes, nas quantidades devidas, cada chefe deu indicação aos seus ajudantes para os irem misturando, mexendo bem entre cada adição. No final, todos os preparados se juntaram obtendo-se uma grande quantidade de massa, que deu origem a um belo trabalho de equipa: um enorme bolo de laranja com cobertura de chocolate.

e este ano, o sol quente de outubro aqueceu a nossa festa.

No Abrigo gostamos da desfolhada. Não sendo muito comum, este ano, durante a desfolhada encontraram-se imensos milhos-rei. Esperamos que seja um sinal de sorte! Mas, mesmo que não o seja, a quantidade de milhos-rei que encontramos foi um bom pretexto para a troca de beijos entre os presentes.

Para realizarmos esta festa, há sempre alguém que nos cede as espigas, há sempre alguém que nos empresta as saias, as blusas, os lenços e todos os adereços que tornam este momento ainda mais bonito. A todos estas pessoas, o nosso muito obrigada!

Nós gostamos imenso de ajudar a desfolhar e, como em qualquer casa, gostamos muito de festas!

às vezes ficamos sem palavras

Há dias assim... dias em que as pessoas nos surpreendem.

Durante uma conversa de trabalho, o nosso fisioterapeuta Luís falou de uma técnica chamada "terapia do espelho" que é utilizada no tratamento de pessoas vítimas de Acidente Vascular Cerebral (AVC). 

Não somos especialistas ou técnicos da área mas, é algo mais ou menos assim: A pessoa coloca as duas mãos dentro de uma caixa que se encontra dividida com um espelho. O fisioterapeuta pede à pessoa que execute alguns movimentos com a mão saudável.

Como a pessoa vê no espelho o reflexo do lado saudável, a rede neural da mão saudável é capaz de induzir a outra a realizar a tarefa semelhante. 

Fantástico, não é? Os estudos revelam algum sucesso na aplicação da "terapia do espelho" mas, este equipamento tem um custo significativo. 

E então, hoje, a Patrícia ofereceu ao Abrigo uma alternativa à caixa de espelhos que ela própria construiu. Esta prenda ajuda o Luís no seu trabalho e melhora a vida das pessoas que fazem fisioterapia no Porto de Abrigo.

Obrigada!

2020 | O Abrigo - Centro de Solidariedade Social de São João de Ver
Todos os direitos reservados. | Política de privacidade
Livro de reclamações online