Faça chuva ou sol

 

No Abrigo cuidamos de pessoas todos os dias. Algumas estão na nossa casa, que também é delas, pelo menos uma parte do dia. Mas muitas continuam a viver nas suas casas, que sentimos também um bocadinho nossas de cada vez que nos abrem a porta e entramos com o cheirinho e o sabor que levamos da nossa cozinha.

Distribuir refeições no serviço de apoio domiciliário é como ter, todos os dias, muitos encontros marcados, com muitas pessoas especiais. Seguir percursos que nos levam a ver quem sabemos que nos espera, aconteça o que acontecer.

Quem nos recebe com um sorriso e um abraço, quem nos diz quase sempre que está tudo como de costume mas nos pede um conselho numa hora de aflição. Quem reclama se chegamos mais tarde assim como que a dizer que estava preocupado. Quem nos deseja boa viagem de regresso e nos recomenda que vamos com cuidado.

Há qualquer coisa de familiar em ir a casa levar as refeições. Conhecer os cantos e os canteiros, saber a que porta bater ou que campainha tocar, responder ao gato ou ao cão, pedir licença a quem é de casa para entrar e fechar o portão ao sair. Saber que há dias alegres em que canta a televisão, outros em que se quer comentar a notícia da terra que saiu no jornal. Respeitar o silêncio se entramos na horar de rezar, deixar o almoço no sítio combinado com quem saiu para o encontrar quando voltar.

Para distribuir refeições no serviço de apoio domiciliário são vários os rostos que saem todos os dias, faça chuva ou sol, no calor do meio-dia ou ao cair da noite fria. Uma equipa que aprendeu a esperar também, com carinho e alegria, esse momento do encontro em cada casa, pelas ruas e caminhos de São João de Ver.

ganhar a vida a cuidar

 

Dizem que, no futuro, as máquinas vão fazer todo o trabalho por nós. Mas, há trabalhos e trabalhos.

Para cuidar de pessoas é preciso ternura. Haverá algum dia alguma máquina que consiga cuidar de um ser humano com ternura?

No Abrigo, ganhamos a vida a cuidar de pessoas. Esta é uma afirmação com vários sentidos. Sim, ganhamos a vida no sentido económico da afirmação. Sim, ganhamos a vida porque conquistamos olhos nos olhos as vidas de quem cuidamos. Sim, ganhamos a vida a construir o mundo que queremos para amanhã, onde as relações entre as pessoas nunca deixarão de ser mais importantes que todas as máquinas que façam o trabalho por nós.

Não é que não gostemos de máquinas. Gostamos bastante da ajuda delas para ganharmos a vida. Usamos as máquinas para planear, para registar, para analisar e assim, enquanto as máquinas não param de contar horas em tempo de fazer, nós ganhamos a vida a contar o tempo em horas de sentir e de estar.

Não é que não gostemos de máquinas. Mas gostamos mesmo muito de pessoas e de cuidar de pessoas. No tempo de contar a vida do Abrigo cabem abraços e sorrisos tanto quanto testas franzidas e narizes torcidos. Há olhares que falam, gestos que pedem, palavras que tocam e passos que revelam. Há pessoas e animais. As gargalhadas conversam com os silêncios. Os cheiros brincam às memórias. Nuns dias faz-se batota para alimentar o espírito do corpo, noutros arranja-se festa para dar corpo ao espírito. A idade é só um número e tantas, tantas histórias, mas às vezes, também pode ser um número diferente a cada momento, sempre na mesma história.

As pessoas de quem cuidamos todos os dias cuidam sempre um bocadinho de nós e ajudam-nos a sermos pessoas melhores a cuidar de pessoas. Ensinam-nos que cuidar é nunca chegar ao fim, é permanecer mesmo quando o fim chegou.

Para cuidar de pessoas com ternura são precisas pessoas. Haverá algum dia alguma máquina que consiga ser uma pessoa?

Filosofia Humanitude no ISSSP

No âmbito da disciplina de Avaliação da Qualidade de Residências e Serviços Sociais para Idosos do mestrado em Gerontologia Social, o Instituto Superior de Serviço Social do Porto (ISSSP) organizou o seminário Filosofia Humanitude - estudo de caso.

Cinco anos após o início do funcionamento do Porto de Abrigo, é um orgulho sermos convidados para partilhar a nossa experiência como Unidade Humanitude. Ter a possibilidade de contar a nossa história, as nossas conquistas e falar sobre as nossas práticas em contexto académico é semear nos profissionais de amanhã o desafio de cuidar em ternura. 

Esperamos ter contribuido para inspirar os dias de quem vê beleza no cuidar.

O nosso coração ficou cheio com o entusiasmo do auditório! 

Só damos conta da importância que as rotinas do dia-a-dia têm quando deixamos de as conseguir fazer. Por exemplo, jantar com a família reunida quando o pai vai viver para um lar de idosos.

Nós acreditamos que temos um papel importante em preservar e criar memórias de família. Por isso, convidamos os filhos, netos e sobrinhos para jantar com os pais, avós e tios no Porto de Abrigo. Não é preciso um pretexto para comemorar nem um motivo para celebrar. Fizemos um jantar de família, com todas as famílias, grandes e pequenas, em nossa casa.

São momentos simples, da rotina do dia-a-dia, que constroem momentos felizes na história de todas estas famílias que, de alguma forma, estão ligadas a nós.

Acreditamos que tenha sido uma noite agradável, tendo em conta os elogios que recebemos e a boa disposição de todos os presentes. 

Por fim, queremos deixar registado um singelo agradecimento ao grupo musical Gente Madura por trazer música ao nosso jantar.

Gostamos muito!

 

O Mergulho da Primavida

Implementar a filosofia Humanitude e adotar a metodologia e prestação de cuidados Gineste-Marescotti na prática diária de cuidados, na organização e funcionamento da casa e na criação de instrumentos de trabalho, não é fácil. É normal sentir que a tarefa é grande de mais e que não se sabe por onde começar.

A realização de dois dias de formação imersiva no Abrigo, que designamos por Mergulho, surge da constatação desta dificuldade e pretende possibilitar às instituições que já fizeram a formação em Humanitude, conhecer em detalhe, observar a prática e vivênciar o funcionamento do Porto de Abrigo - Unidade Humanitude. 

Foi neste âmbito que recebemos a Primavida, uma residência sénior da freguesia de Amor em Leiria, para a realização de um Mergulho.

Receber uma outra organização que, tal como nós, presta cuidados a pessoas idosas, e que nos procura para connosco aprender é uma responsabilidade muito grande. Queremos corresponder às expectativas. Queremos proporcionar um momento de aprendizagem significativo. Demonstrar o que fazemos no dia a dia não é fácil. Obriga-nos a distanciarmo-nos do que nos é familiar, do que para nós se torna tão evidente. Só a sistematização da nossa prática e da informação que produzimos nos permite partilhar com objetividade e ajudar a construir conhecimento. 

A realização da formação imersiva "Mergulho em Unidade Humanitude" é o contributo do Abrigo para a disseminação dos cuidados em Humanitude. É o nosso contributo para mudar, mesmo que devagarinho, o mundo da prestação de cuidados a pessoas idosas.

2018 | O Abrigo - Centro de Solidariedade Social de São João de Ver
Todos os direitos reservados. | Política de privacidade
Livro de reclamações online