Quem nunca? Teve uma experiência de atendimento desagradável? Quem nunca viveu uma experiência de atendimento extremamente agradável? O que fez a diferença?

Foi este o mote da formação que o Abrigo organizou e para a qual convidou o Centro Social e Paroquial das Caldas de São Jorge e o Centro Social de Lourosa.
Quando somos nós que fazemos atendimento ao público, deixamos de ver aquilo que fazemos e o impacto que as nossas ações e rotinas de trabalho têm em quem nos visita pela primeira vez.
Só há uma forma de nos vermos pelos olhos dos outros, por isso desafiamos as nossas instituições convidadas a realizar visitas de cliente mistério interinstitucionais.

Foram as pessoas que trabalham no atendimento que entraram porta adentro numa outra instituição para se poderem colocar no lugar de quem procura informação. Como funciona uma creche? Como posso inscrever o meu pai para o centro de dia? Quanto vou pagar?
Por si só, este foi um momento de aprendizagem. Como é chegar a um sítio que não conhecemos? De que forma somos recebidos? Conseguimos perceber a informação? É simples?

Estas e outras questões foram posteriormente abordadas em contexto de formação e foram apresentadas boas práticas que podem ajudar a promover um atendimento não só cordial, mas também profissional, eficaz, célere… de qualidade.

Partilhar estas questões com outros profissionais que também as vivem no dia-a-dia é importante para conseguirmos identificar aspetos a melhorar, quais são as nossas fragilidades e como as podemos ultrapassar.
Sabemos que o primeiro contacto é determinante para causar boa impressão.
Os serviços que prestamos assentam na construção de uma relação de confiança que começa no momento em que a pessoa toca pela primeira vez à campainha. E há sempre uma oportunidade para fazer melhor.

Crescer é aprender a voar

  • O Abrigo
  • creche

A convite do Semi-Internato de Nossa Senhora da Encarnação da Congregação das Irmãs Concepcionistas ao Serviço dos Pobres estivemos em Elvas para dar a conhecer o trabalho da creche do Abrigo. 

Do ponto de vista técnico, a nossa partilha encontrou eco na assistência: O trabalho pedagógico em creche é importante, há várias formas de o alcançar e de ter sucesso.
No Abrigo temos a garantia de que fazemos o que dizemos que fazemos reconhecida pela certificação nível A de acordo com os Manuais de Avaliação da Qualidade da Segurança Social. O nosso projeto educativo e método de trabalho inspiram-se no Crescendo em Qualidade da Gabriela Portugal e diariamente, as nossas educadoras aplicam a metodologia de projeto no trabalho que desenvolvem com as crianças.

Apesar da confiança que sentimos nas ferramentas que utilizamos, sabemos que isso não chega. E muito perto da fronteira com Espanha, encontramos cuidadoras no Semi-Internato de Nossa Senhora da Encarnação que também o sabem.
É muito difícil ter a capacidade de conseguir olhar para aquilo que fazemos, ver a sua importância, questionar, duvidar e querer continuar a procurar formas de fazer melhor. Porque questionar o que fazemos todos os dias deixa-nos sem chão. Vermo-nos pelos olhos dos outros é um exercício que nos provoca desconforto e medo. Mas, é fundamental. Porque somos pessoas que cuidam de pessoas. E às vezes deixamos de as ver. E, no correr dos dias, ao fim de muitos dias, deixamos de nos ver também. 

Em Elvas, fomos recebidas com muito carinho.
Voltamos para casa com um grande exemplo da equipa de cuidadoras do Semi-Internato de Nossa Senhora da Encarnação, algumas das quais com 40 anos de experiência de trabalho com crianças pequenas: não há que ter medo de continuar a olhar para nós próprias com espírito crítico e reflexivo, à medida que o tempo passa e que a nossa experiência de trabalho se vai acumulando.
O passado, a história são importantes para nos lembrar quem somos. Mas, o futuro constrói-se agora e todos os dias.

Em conformidade com as disposições legais aplicáveis e os estatutos da associação, convoco todos os sócios para se reunirem em Assembleia Geral, que terá lugar na sede da associação, sita na rua da estação 541 4520-618 São João de Vêr, pelas 20h30m do dia 25 de Março de 2019 com a seguinte ordem de trabalhos: 

  1. Informações da Direção;
  2. Leitura do parecer do conselho fiscal sobre o relatório e contas do ano de 2018;
  3. Apreciação e votação do relatório e contas do ano 2018;
  4. Outros assuntos de interesse para a associação. 

Se à hora indicada não houver quórum, a Assembleia terá inicio 30 minutos depois no mesmo local, com qualquer número de sócios e a mesma ordem de trabalhos. 

São João de Vêr, 08 de Março de 2019
O Presidente da Assembleia Geral
Eng.º José Fernandes de Oliveira

Para consultar os documentos em discussão na assembleia, Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar..

 

Esta fotografia assinala o dia em que dinamizamos o workshop "Cuidar em Humanitude" no II Seminário de Investigação, Inovação e Intervenção em Gerontologia, na Escola Superior de Educação do Porto.

Na fotografia estão também cuidadoras do Porto de Abrigo que foram assistir à apresentação. Como é evidente, não podemos ir todos. No entanto, sempre que possível, procuramos garantir a presença de alguém que represente a equipa nestes momentos. Para que sintam e tragam para casa a notícia do quanto enche o coração sentir a reacção das pessoas quando ouvem falar do trabalho do Abrigo. E também, para que nos chamem a atenção para o que faltou dizer. Para que possamos fazer sempre melhor.

Acreditamos que é na equipa de cuidadoras que está o poder de fazer acontecer todos os dias. São estas pessoas que põem em prática os princípios da organização e funcionamento, a filosofia humanitude e a metodologia de trabalho que o Abrigo desenvolveu. Porque não basta saber para onde se quer ir. Quando vamos bem acompanhados, a viagem faz-se melhor!

 

Pouco tempo passava desde que o Porto de Abrigo estava de portas abertas quando chegou às novas vidas, para ficar. Mestre de vocação, não sabia a Micas o quanto ainda havia de ter para nos ensinar.

O rosto de olhos atentos e sorriso simples, os caracóis que os dedos enrolavam, sem precisar de ajuda, todas as manhãs. A postura de quem gosta de gastar o tempo a observar o que passa à volta, tantas vezes as mãos atrás das costas, sem largar o terço e o livrinho pequenino da palavra maior.

Os chinelos para passear pelo corredor e sentar à janela em dias de chuva, o chapéu para acenar o “volto mais logo” à saída para passear pela terra ao sol. A voz grave e o jeito calmo, de quem sabe de si.

Quando estamos em casa, em família, as rotinas tomam-nos os dias e saber que está tudo igual diz-nos quase sempre que continua tudo bem. Mas não naquele dia de verão, porque naquele dia a Micas não chegou. Naquele dia a Micas chamou.

Ao som da campainha foi encontrada caída no chão do quarto e, a partir desse momento, muito mudou. Quase um mês de distância até cumprir o desejo de voltar a casa, tempo que não chega a ninguém para se preparar para a nova vida que trazia o diagnóstico de AVC, a disartria, o défice motor e a disfagia grave.

Um prognóstico reservado quanto à recuperação, sem investimento nas certezas de nada. Só a evidência, ou a impotência, de dar tempo ao tempo. É preciso tempo para aceitar o que não se pode controlar, o que não dá para voltar atrás e mudar. É preciso tempo para continuar.

E com tempo a Micas deixou-nos entrar. Abriu-nos o seu mundo, antes tão só seu, e aceitou a nossa ajuda para a cuidar. Não esqueceu que existe mais mundo lá fora, e quis sair da cama outra vez. Voltou à sala e à família do Porto de Abrigo, demasiado grande para caber completa em visitas no quarto.

Três meses de uma nova vida que foram também muitas horas das vidas de muitas pessoas que lhe querem bem. Momentos de dúvida, ansiedade e angústia. A tentativa e o erro. A intuição ancorada no conhecimento e uma sensibilidade que está sempre em flor, na pele de quem sente e não desiste. Um gesto, assumido e repetido como quem não precisa das palavras para falar: aquela sonda não era para ali estar, por isso não ia parar de a retirar.

Alimentamos-lhe a esperança com a marcação de uma consulta e inspiramo-nos na sua fé para não ter medo de acreditar. Agradeceu-nos emocionada, encheu-nos a alma e o coração. Começamos a procurar respostas para possibilidades que não tínhamos ousado pensar e gente com a mesma vontade de arriscar. Felizmente, as pessoas especiais têm o dom de se cruzar quando algo de muito poderoso tem de acontecer. Foi, certamente, por isso que conhecemos o Dr. Miguel e que este nos apresentou a Dr.ª Isabel.

A quem o doce nunca amargou, foi em consistência de mel que o treino alimentar trouxe de novo a independência que parecia perdida há meio ano, bem na outra vida que já está a ficar para trás. Quando se senta à mesa, a Micas toma uma refeição normal, bebe líquidos e só precisa que os alimentos lhe sejam preparados para que possa usar colher de sobremesa, por ser mais fácil de segurar e levar à boca. Sim, recusa normalmente ajuda para se alimentar. É mesmo verdade e enche-nos de orgulho.

A Micas está feliz, principalmente por não se sentir tão dependente e por se fazer perceber melhor quando quer falar. É só o que importa para ficarmos felizes também. Temos muito para lhe agradecer porque a mestre ensinou-nos a maior das lições: nunca é tarde para recomeçar.

O futuro? Ninguém sabe, mas venha o que vier, vamos continuar aqui para o ajudar a transformar.

 

Mais artigos...

2018 | O Abrigo - Centro de Solidariedade Social de São João de Ver
Todos os direitos reservados. | Política de privacidade
Livro de reclamações online