ganhar a vida a cuidar

 

Dizem que, no futuro, as máquinas vão fazer todo o trabalho por nós. Mas, há trabalhos e trabalhos.

Para cuidar de pessoas é preciso ternura. Haverá algum dia alguma máquina que consiga cuidar de um ser humano com ternura?

No Abrigo, ganhamos a vida a cuidar de pessoas. Esta é uma afirmação com vários sentidos. Sim, ganhamos a vida no sentido económico da afirmação. Sim, ganhamos a vida porque conquistamos olhos nos olhos as vidas de quem cuidamos. Sim, ganhamos a vida a construir o mundo que queremos para amanhã, onde as relações entre as pessoas nunca deixarão de ser mais importantes que todas as máquinas que façam o trabalho por nós.

Não é que não gostemos de máquinas. Gostamos bastante da ajuda delas para ganharmos a vida. Usamos as máquinas para planear, para registar, para analisar e assim, enquanto as máquinas não param de contar horas em tempo de fazer, nós ganhamos a vida a contar o tempo em horas de sentir e de estar.

Não é que não gostemos de máquinas. Mas gostamos mesmo muito de pessoas e de cuidar de pessoas. No tempo de contar a vida do Abrigo cabem abraços e sorrisos tanto quanto testas franzidas e narizes torcidos. Há olhares que falam, gestos que pedem, palavras que tocam e passos que revelam. Há pessoas e animais. As gargalhadas conversam com os silêncios. Os cheiros brincam às memórias. Nuns dias faz-se batota para alimentar o espírito do corpo, noutros arranja-se festa para dar corpo ao espírito. A idade é só um número e tantas, tantas histórias, mas às vezes, também pode ser um número diferente a cada momento, sempre na mesma história.

As pessoas de quem cuidamos todos os dias cuidam sempre um bocadinho de nós e ajudam-nos a sermos pessoas melhores a cuidar de pessoas. Ensinam-nos que cuidar é nunca chegar ao fim, é permanecer mesmo quando o fim chegou.

Para cuidar de pessoas com ternura são precisas pessoas. Haverá algum dia alguma máquina que consiga ser uma pessoa?

2018 | O Abrigo - Centro de Solidariedade Social de São João de Ver
Todos os direitos reservados. | Política de privacidade
Livro de reclamações online