Faça chuva ou sol

 

No Abrigo cuidamos de pessoas todos os dias. Algumas estão na nossa casa, que também é delas, pelo menos uma parte do dia. Mas muitas continuam a viver nas suas casas, que sentimos também um bocadinho nossas de cada vez que nos abrem a porta e entramos com o cheirinho e o sabor que levamos da nossa cozinha.

Distribuir refeições no serviço de apoio domiciliário é como ter, todos os dias, muitos encontros marcados, com muitas pessoas especiais. Seguir percursos que nos levam a ver quem sabemos que nos espera, aconteça o que acontecer.

Quem nos recebe com um sorriso e um abraço, quem nos diz quase sempre que está tudo como de costume mas nos pede um conselho numa hora de aflição. Quem reclama se chegamos mais tarde assim como que a dizer que estava preocupado. Quem nos deseja boa viagem de regresso e nos recomenda que vamos com cuidado.

Há qualquer coisa de familiar em ir a casa levar as refeições. Conhecer os cantos e os canteiros, saber a que porta bater ou que campainha tocar, responder ao gato ou ao cão, pedir licença a quem é de casa para entrar e fechar o portão ao sair. Saber que há dias alegres em que canta a televisão, outros em que se quer comentar a notícia da terra que saiu no jornal. Respeitar o silêncio se entramos na horar de rezar, deixar o almoço no sítio combinado com quem saiu para o encontrar quando voltar.

Para distribuir refeições no serviço de apoio domiciliário são vários os rostos que saem todos os dias, faça chuva ou sol, no calor do meio-dia ou ao cair da noite fria. Uma equipa que aprendeu a esperar também, com carinho e alegria, esse momento do encontro em cada casa, pelas ruas e caminhos de São João de Ver.

ganhar a vida a cuidar

 

Dizem que, no futuro, as máquinas vão fazer todo o trabalho por nós. Mas, há trabalhos e trabalhos.

Para cuidar de pessoas é preciso ternura. Haverá algum dia alguma máquina que consiga cuidar de um ser humano com ternura?

No Abrigo, ganhamos a vida a cuidar de pessoas. Esta é uma afirmação com vários sentidos. Sim, ganhamos a vida no sentido económico da afirmação. Sim, ganhamos a vida porque conquistamos olhos nos olhos as vidas de quem cuidamos. Sim, ganhamos a vida a construir o mundo que queremos para amanhã, onde as relações entre as pessoas nunca deixarão de ser mais importantes que todas as máquinas que façam o trabalho por nós.

Não é que não gostemos de máquinas. Gostamos bastante da ajuda delas para ganharmos a vida. Usamos as máquinas para planear, para registar, para analisar e assim, enquanto as máquinas não param de contar horas em tempo de fazer, nós ganhamos a vida a contar o tempo em horas de sentir e de estar.

Não é que não gostemos de máquinas. Mas gostamos mesmo muito de pessoas e de cuidar de pessoas. No tempo de contar a vida do Abrigo cabem abraços e sorrisos tanto quanto testas franzidas e narizes torcidos. Há olhares que falam, gestos que pedem, palavras que tocam e passos que revelam. Há pessoas e animais. As gargalhadas conversam com os silêncios. Os cheiros brincam às memórias. Nuns dias faz-se batota para alimentar o espírito do corpo, noutros arranja-se festa para dar corpo ao espírito. A idade é só um número e tantas, tantas histórias, mas às vezes, também pode ser um número diferente a cada momento, sempre na mesma história.

As pessoas de quem cuidamos todos os dias cuidam sempre um bocadinho de nós e ajudam-nos a sermos pessoas melhores a cuidar de pessoas. Ensinam-nos que cuidar é nunca chegar ao fim, é permanecer mesmo quando o fim chegou.

Para cuidar de pessoas com ternura são precisas pessoas. Haverá algum dia alguma máquina que consiga ser uma pessoa?

 

Quando dizemos que prestar serviços de apoio ao domicílio é fazer parte da vida das pessoas, na casa das pessoas, não falamos só do que fazemos todos os dias. Falamos de conhecer as pessoas, com calma, respeitando o tempo para se acostumarem à nossa presença e nos darem licença para ajudar. Nem sempre é fácil romper com uma ideia do serviço de apoio ao domicílio mais tradicional, associada à prestação de cuidados a pessoas em situação de grande dependência. E, às vezes, ainda parece atrevimento falar de recuperação da autonomia.

Mas essa ideia, a cada visita que fazemos só para saber se está tudo bem, está a mudar…

Há uns meses caiu. Levamos um susto quando o encontramos, porque fazer parte da vida das pessoas, na casa das pessoas, é criar laços e viver angústias. Estivemos com a esposa a contar os dias e não tardou muito a voltar a casa. De repouso absoluto, porque «uma cirurgia é uma cirurgia e nestas idades nunca se sabe», mas feliz.

Hoje em dia sorri. Estamos de coração cheio, porque fazer parte da vida das pessoas, na casa das pessoas, também é construir histórias felizes. Juntámos a sua vontade de saltar da cama com um par de braços sempre pronto a ajudar e é este o resultado da recuperação. Mesmo a tempo de ir colher e provar o figo doce que cresceu lá atrás no jardim. Podíamos ir embora? Talvez, se não fossemos para a rua todos os dias para dar mais anos à vida. Assim sendo, vamos voltar. Mais logo. Amanhã. E depois. Só para ver se está tudo bem.

SAD despapelado

Quando paramos para o ouvir percebemos que era evidente a necessidade de mudança.Tudo começou com um sentimento de angústia que não queria calar. E então começamos a mudar. Podiam ser mais ou menos assim resumidos os últimos meses no Serviço de Apoio Domiciliário do Abrigo, uma verdadeira odisseia que trouxe várias revoluções…a adesão às tecnologias foi a que mais recentemente completámos. E até ver, está a correr muito bem. Quem diria?

Pode parecer estranho à primeira vista. De início também levantámos o sobrolho em jeito de desconfiança porque a leveza de largar papel e caneta é daquelas “modernices” que não contagia a todos. Então se estivermos a falar de cuidar de pessoas idosas, nas suas casas, pode até aparentar não fazer sentido algum. Mas faz. Muito sentido e toda a diferença. Pouco a pouco o sobrolho levantado foi dando lugar à testa franzida, assim em modo “deixa lá ver como é que isto funciona”. O que aconteceu depois foram só as descobertas de um maravilhoso mundo novo: contactos, informações, dados, registos, fotografias! Tudo a circular diariamente pelas ruas e pelas casas das pessoas de quem cuidamos. Tudo disponível em tempo real, que é o tempo em que a vida deve ser vivida.

Portanto, não há nada de errado. Em vez de papel, usamos os tablets como instrumentos de trabalho, todos os dias. Discretamente cumprem um papel importante em tudo o que fazemos. Com a sua ajuda, estamos a reunir dados importantes sobre a intervenção que desenvolvemos, enquanto poupamos tempo no momento de parar para os analisar.

Tempo para as pessoas.
Se mais não fosse, só por isso já tinha valido a pena.

2018 | O Abrigo - Centro de Solidariedade Social de São João de Ver
Todos os direitos reservados. | Política de privacidade
Livro de reclamações online